Press "Enter" to skip to content

Propaganda “falsiê” de Bolsonaro que viralizou nas redes sociais é inspirada na de Hugo Chavez

Compartilhe
Maria Eulina, de Penaforte, na verdade, não existe. Foto: Reprodução/Youtube

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se viu diante de mais uma polêmica envolvendo notícias falsas. Desta vez, elas foram geradas pela própria estrutura do governo. Foi divulgada nesta quarta-feira (2) a primeira propaganda do programa “Alô Presidente”. Nela, ele conversa com pessoas de estados brasileiros sobre os investimentos do governo federal nestes estados. Só que há um problema nisso: as duas pessoas relacionadas no primeiro filme são “fake”.

Não demorou para que a propaganda repercutisse nas redes sociais de forma negativa, justamente o inverso do objetivo. As imagens das pessoas relacionadas na peça são de pessoas cujas imagens constam em bancos usados por agências de publicidade ou por quem queira pagar, em média, R$ 45 por elas. As fotos servem para ilustrar campanhas. O objetivo é diferente do pretendido pelo governo, que era mostrar questionamentos de pessoas reais.

O nome da peça também gerou polêmica: é o mesmo que era adotado no programa semanal do ex-presidente da Venezuela, Hugo Chávez (já falecido). Horas após a publicação, o Palácio do Planalto disse que o vídeo era uma “peça piloto inacabada” e que ela foi retirada do ar.

Um dos personagens é identificado como “Dona Maria Eulina”, de Penaforte (CE). A mulher idosa questiona o presidente sobre o andamento da transposição de águas do Rio São Francisco. Bolsonaro então responde à mulher fake. A foto dela, que mora no interior de São Paulo, pode ser encontrada no site iStock. A legenda traz a descrição “Mulher idosa feliz que sorri feliz na idade adulta – Imagem em Alta Resolução” e pode ser adquirida por R$ 45.

O segundo personagem no vídeo é identificado como “Francisco Valmar”, de Parnamirim (RN). Ele pergunta sobre os investimentos no transporte por trens. A foto que aparece está no Shutterstock sob a legenda “retrato de trabalhador na fábrica no fundo” e, segundo o site, pode ser baixada gratuitamente.