Geral -
Produtor investe em capacitação e transforma seu pequeno negócio em empresa sólida no Cariri paraibano
Termômetro da Política
Compartilhe:
Capril Nunes, no Sítio Bom Lugar, produz cinco tipos de requeijão cremoso, além de oito tipos de queijos (Foto: Reprodução/Instagram)

O ano era 2018 e o sonho de ter a casa própria parecia distante para o casal Cristiano Nunes e Paloma Lima. A criação de cabras e galinhas no município de Livramento, no Cariri paraibano, não gerava a renda suficiente. Foi quando eles decidiram investir em capacitação.

Cristiano procurou o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural da Paraíba (Senar-PB) e fez o curso Negócio Certo Rural (NCR). “Começou a sobrar mais dinheiro e possibilitou a gente sonhar”, conta o produtor. O NCR é realizado pelo Senar através de parceria com o Sebrae. Para Cristiano, a formação em empreendedorismo foi um divisor de águas. Não só pelos aspectos relacionados a vida pessoal, mas também pela mudança de visão sobre a gestão do seu sítio.

“Antes do curso, eu era apenas um agricultor que lutava para fechar a conta no final do mês. Sobrava pouca coisa. Apesar de eu ter minhas contas controladas, sobrava muito pouca coisa. Depois do curso, eu passei de agricultor a empresário. Eu passei a enxergar meu sítio como uma empresa”, completou Cristiano.

Na trilha do desenvolvimento de novas habilidades e capacidades, o casal também participou de um treinamento sobre a produção de derivados de leite, em dezembro de 2020. Até então, a produção de leite era repassada quase que totalmente para o município, através do Programa de Aquisição de Alimentos.

Veja também
Podcast 40 Graus: o partido da Lava Jato e a pré-candidatura do ex-juiz

Hoje, metade da produção é repassada ao PAA, que mantém a atividade, e a outra é destinada à produção de derivados, que gera o lucro da empresa. O Capril Nunes, no Sítio Bom Lugar, produz cinco tipos de requeijão cremoso, com o leite de cabra: natural e temperados, além de oito tipos de queijos – natural, temperado com azeitona, manjericão, orégano, pimenta calabresa, curado no café ou vinho, ou a peça com 4 sabores.

A produção diária de 25 litros de leite vem das 13 cabras em lactação, das raças Saanem, Alpina Americana e Parda. “Antes estávamos com 35 litros/dia, mas a estiagem tem nos prejudicado, o nosso silo já está acabando. Mesmo assim, estou trabalhando para melhorar o rebanho e seguir com a raça Parda Alpina”, explicou.

Comercialização

(Foto: Reprodução/Instagram)

A divulgação é feita principalmente através das redes sociais, no perfil @caprilnunes, no Instagram, que é comandando principalmente por Paloma, que também é professora no município. Ela também atua nas vendas e na ordenha. Na divisão das atividades, a produção e o manejo dos animais é responsabilidade de Cristiano e da sogra dele, Luzinete Lima.

O Capril vende entre 35 e 40 queijos por mês, a mesma quantidade média de requeijão. Cerca de 80% da produção é vendida na própria cidade. O restante, sob encomenda, chega a cidades como Campina Grande e João Pessoa. A entrega é feita por meio de parcerias ou contando com amigos e parentes.

Casa própria

Toda essa mudança tornou a casa um sonho mais próximo. Segundo Cristiano, a residência deve ficar pronta o próximo mês de janeiro. Além da moradia, o espaço também vai abrigar uma cozinha para produção dos queijos.

Com tudo pronto, Cristiano e Paloma vão dar mais um passo importante, que será o casamento dos noivos. “Assim que a gente tiver uma segurança da conclusão da casa, aí já vamos encaminhar o casamento”, revelou.

“Construir nessa época é complicado, mas estamos em fase final da nossa casa, graças a mudança. O sítio não é apenas o sítio. É uma empresa. A partir do momento que você bota planos e metas, o resultado vem. Basta a sua dedicação. Eu sempre vou ser grato a professora Andrea Sousa, ao Senar por ter me dado essa oportunidade de poder sonhar em ter minha casa própria” concluiu.

Assista ao vídeo com o depoimento do empresário:

Fonte: Senar-PB

Compartilhe: