Jornalista, fotógrafo e consultor. Escreve desde poemas de amor a ensaios sobre política. É editor no Termômetro da Política e autor de Emagreça bebendo cerveja. Twitter: @gesteira.
Jornalista, fotógrafo e consultor. Escreve desde poemas de amor a ensaios sobre política. É editor no Termômetro da Política e autor de Emagreça bebendo cerveja. Twitter: @gesteira.
Novo comercial do Burger King faz piada com Paulo Guedes
Compartilhe:
Mau resultado da Economia pressiona ministro mais prestigiado do governo Bolsonaro (Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

É no mote de quem não entende de economia que o novo comercial do Burger King faz piada com Paulo Guedes, ministro da Economia. No filme publicitário, a marca de fast-food reúne pessoas desconhecidas que admitem não entender de economia, mas ressaltam que comer ali, naquele restaurante, é fazer economia. O que há de comum entre eles e o auxiliar do primeiro escalão do presidente da República é o nome, pois todos se chamam Paulo Guedes. Implicitamente, foi dura a crítica sobre os Paulos Guedes não entenderem de economia. Muitas respostas ao comercial seguiram a linha de ataque ao governo.

Não é segredo pra ninguém que a economia do Brasil vai mal. O país deixou de ser a sexta economia do mundo para viver dos sonhos não realizados no malfadado projeto liberal do governo Jair Bolsonaro. E se a microeconomia foi bem nos rincões do país durante a pandemia de covid-19 no ano passado, o sucesso só aconteceu graças ao auxílio emergencial, que o governo não queria pagar, mas teve que se curvar ao Congresso. Hoje o Brasil tem uma imagem desgastada internacionalmente, moeda em desvalorização e mais de 14 milhões de desempregados.

Alguns internautas confundiram a peça publicitária com referência elogiosa ao governo, mas a marca fez questão de destacar que se tratava de uma crítica. Numa das interações, um usuário da rede comenta: “Qualquer Paulo Guedes sabe muito mais de Economia do que o Paulo Jegues, ops, Guedes.”, e a Burger King responde “O Paulo mandou benzão, né Regis!”, com ironia.

Compartilhe: