Política -
Para defender ex-ministro preso por suspeita de corrupção, pastor Sérgio Queiroz afronta o STF
Termômetro da Política
Compartilhe:
Pastor, empresário da educação, bolsonarista e pré-candidato ao Senado, Sérgio Queiroz defende ex-ministro preso por suspeita de corrupção (Foto: Reprodução/Instagram/sergioqueirozoficial)

“Eventuais condutas criminosas devem ser investigadas duramente. A prisão do ex-Ministro da Educação mostra a isenção da Polícia Federal. Ressalto que Milton Ribeiro ainda está sob investigação, enquanto Lula foi condenado em três instâncias, mas está solto.” A mesma frase dita por um político bolsonarista sem o devido conhecimento das leis teria apenas o tom político de confronto contra o ex-presidente Lula (PT), principal adversário do presidente Jair Bolsonaro (PL) na corrida eleitoral para o Palácio do Planalto. Mas proferida pelo pré-candidato ao Senado Sérgio Queiroz (PRTB), que além de pastor é professor de Direito, pode soar como uma afronta ao Supremo Tribunal Federal (STF).

O ex-ministro da Educação do Governo Bolsonaro, Milton Ribeiro, foi preso na manhã desta quarta-feira (21) pela Polícia Federal. Ele é suspeito de envolvimento na prática de tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), vinculado ao Ministério da Educação (MEC), para beneficiar pastores.

Veja também
Conta de energia mais cara: Aneel reajusta bandeiras tarifárias em até 64%

Na pressa em defender seu colega de profissão religiosa e também de governo junto ao presidente Jair Bolsonaro, pois Sérgio não foi ministro, mas integrou a gestão, o pastor desconsiderou as decisões do STF que anulam todas as condenações do presidente Lula pela Justiça, no âmbito da Operação Lava Jato. Sabendo então que não há condenações contra Lula, Sérgio Queiroz ou mente, ou afronta o STF.

A fala do pastor, empresário da educação e pré-candidato ao Senado foi publicada em seu perfil no Twitter.

Compartilhe:
ads